domingo, 5 de dezembro de 2010

ENTRE O CÉU E A TERRA


Ontem, no Arena Jovem daqui de Alfenas, foi ministrada uma palavra tão tão tão fera... Uma exortação tão profunda, que gostaria de dividir com vcs.
Foi contada a história de Absalão (II Samuel 13 ao 19), o qual matou seu irmão Amnon - por ele ter cometido incesto com a sua irmã Tamar. Por causa deste crime, Absalão foi para Gesur, longe da face de Davi, rei e seu pai.
Entretanto, Absalão fez um voto a Deus, que se ele conseguisse voltar a Jerusalém, ele seria servo de Deus (IISm 15:7) e a palavra diz que não havia em Israel homem tão belo e aprazível como ele (IISm14:25).
O grande problema de Absalão é que ele desejava não só as coisas de Deus, mas o que estava no mundo.
Ele queria a glória dos homens.
Por causa disso, armou contra seu pai uma rebelião, colocando homens do povo contra ele. Dizendo que Davi não se importava com as causas dos homens, e que não os dava ouvidos: mentira! (IISm 15:3-4)
Enquanto sacrificava seus sacrifícios a Deus, a conjuração causada por Absalão se fortificava (IISm 15:12).
O resultado deste coração dividido entre fazer a vontade de Deus e ansiar pela glória dos homens foi a morte.
Absalão, quando saiu com seu exército contra o rei Davi, estando ele em cima de um mulo, ficou preso no galho de uma árvore pelo pescoço, e o mulo continuou andando o deixando suspenso entre o céu e a terra (IISm 18:9). Veio então seu inimigo, e o matou.
Mas, oras! Como é que ele não conseguiu se desvenciliar de um galho?!
O pregador nos disse que quando estamos entre o céu e a terra, estamos presos pelo pescoço e vulneráveis ao inimigo. Apenas a melhor escolha, que é escolher a Deus acima de todas as coisas, pode nos livrar da morte.

Em Colossanses 3:1-2, Paulo diz que se já fomos "ressussitados com Cristo", ou seja, se já optamos por ser do bem e servir a Deus, então temos que buscar pelas coisas que são cima e não as da terra.
As aparências deste mundo passam! E se é necessário viver neste mundo, conviver com a glória dos homens e outras coisas mais, que, ao menos nos condicionemos a não "abusar" destas coisas e valorizá-las acima do que elas realmente valem. Porque, na verdade, elas são nada. (I Coríntios 7:29-31)
O fato não é que você não possa ter o carro do ano ou a mulher/marido dos seus sonhos ou até o reconhecimento de um serviço prestado... Mas que aquilo que nos ensoberbece não tenha lugar nos nossos corações.
Que reconheçamos que tudo o que temos é pela graça e misericórdia do Senhor, e temos o dever de servi-Lo de todo o nosso coração, inclusive entregando o que temos e o que somos para que Ele nos dê a direção das nossas vidas.
O problema não são os pecados que nós cometemos, mas os corações que não se arrependem e que não se entregam totalmente para Deus.




Ele é ciumento demais, e não quer apenas uma parte do nosso coração.
Pense nisso!